PREPARAÇÃO PARA A VIAGEM – PARTE 1

No Carnaval zarpo pro Parque Nacional do Caparaó, divisa de Minas e Espírito Santo. O plano é subir o Pico da Bandeira, Calçado e Cristal, saindo do Terreirão e indo até Casa Queimada, e fazer o mesmo caminho da volta (talvez sem o Cristal, vai depender da chuva e da disposição), e ainda terei um dia livre pra curtir as cachus e me aventurar ilegalmente nos outros picos (pra que proibir né gente?). Vai ser minha primeira trilha de montanha sozinha. Tudo bem que provavelmente vai estar cheio de gente, mas de qualquer maneira, vou solo, e pretendo ficar por lá assim, e trilhar assim, já que acordo cedo, começo a andar cedo e além de andar bem, estando sozinho não carrego a morosidade de grupo grande. Veremos!

Às vezes a gente não tem noção das coisas, até acontecerem. Organizar uma viagem inteiramente sozinho, principalmente quando não vai ter restaurante nem hotel no meio do caminho e a previsão de tempo é bastante incerta (estou usando a da cidade mais próxima, porém estarei em maior altitude), é de dar nó na cabeça de qualquer um que não esteja acostumado.
Mas vamos lá: talvez por enquanto o que me está mais complicado é decidir o que levar de comida. Comecei fazendo as contas pra ver qual seria o nível da viagem: calculei que andarei uma média de 10km por dia, com mochila de 15kg, o que daria +/- 40km pra 4 dias e meio. Diria que pra mim é um nível moderado. Se fizer muito sol vai cansar um pouco mais, mas imagino que não precisarei levar tanta comida assim, nem tão calórica, afinal de contas, não será trilha puxada.
Calculei então da seguinte maneira (eu como pra caramba):
  • Café da manhã: SAB-DOM-SEG-TER-QUA (sábado eu como qualquer coisa em alguma rodoviária)
  • Almoço: DOM-SEG-TER (no domingo eu almoço em Alto Caparaó, idem na quarta)
  • Janta: SAB-DOM-SEG-TER (quarta eu janto na estrada, voltando)
  • Lanches: ½ SAB-DOM-TER- ½ QUA (sábado lanche só de tarde, quarta só de dia, se houver…)
Considerando que estou com Liofoods de uma viagem que não rolou, mais um macarrãozinho integral sobrando, vou precisar apenas completar os lanches (barrinhas de cereal e uvas passas pra substituir o chocolate – não derretem, são mais saudáveis, ocupam menos espaço e também tem muitas calorias), pensar no que levar nos cafés da manhã, e pensar se vou almoçar mesmo ou fazer lanches (cozinhas almoço… e a preguiça de montar fogareiro no meio da trilha! Nhé!)
Esses dias vi uma caixinha de Polenguinho no supermercado, fora da geladeira, em embalagens de 2. Ou seja, café da amanhã vai ser pão sírio integral com Polenguinho e um salame, mais café instantâneo. Almoço talvez seja a mesma coisa ou só barrinhas mesmo (não curto muito ficar almoçando de verdade em trilha).
Portanto a listinha de alimentação está assim (falta decidir o que fazer quanto ao almoço):
– Liofoods para as jantas (5)
– Pão sírio integral, do pequeno (2 saquinhos)
Polenguinho “portátil” (6 caixinhas de 2u)
– Salame
– Chá
– Barrinha de cereal (umas 15, média de 3 por dia)
– Uvas passas
– Café instantâneo (o cappuccino de Alpino sumiu do supermercado…)
– Torrada integral
Colocando assim, “no papel”, dá pra ter uma noção muito melhor da quantidade, possível volume e peso, da sua alimentação pra uma trip. Claro que nesse caso eu vou ter que levar tudo e não vai dar pra ficar deixando nada pelo caminho pra usar depois.
Também me preocupa o peso que a mochila vai ficar, já que tem apenas 1 pessoa pra carregar tudo: eu! E alguns equipamentos meus são bem pesadinhos (coisa veia né, sem a tecnologia de hoje…), tipo meu sleeping (Um Eusébio pra -5°C) que pesa perto de 2kg, e a mochila (Karakorum 80L da Casa do Montanhista) idem. A barraca (Azteq Mini-Pack), fica também nisso, então já estou com 6kg. Nessas horas pra mim a solução é a seguinte: já que a gente carrega a roupa com o corpo e não na mochila, o negócio é ir com pouca roupa (não pelada né, gente). A roupa da viagem de ida é a mesma da viagem inteira, levo umas calcinhas e meias a mais e uma roupa pra voltar, e só.
Bom, minha lista do que levar até agora está assim:
– Navegação: GPS, caderninho, lapiseira, régua de acetado, bússola, mapa+porta mapa, celular, livrinho azul de orientação, câmera.
– Casa/Cozinha/Banheiro: Panelas, isqueiro, fósforo, fogareiro, gás, 2 cantis, barbante, silvertape, talheres, esponja sabão de coco, pente, desodorante, escova de dente,  pasta de dente, toalha, algumas folhas de papel toalha, álcool, corta vendo, canivete, headlamp+pilhas reserva, apito, capa de chuva, sacos plásticos, isolante, barraca, alguns fixadores elásticos, alguns mosquetões, pochete, purificador, shampoo/cond/sabonete (ainda não inventarem um 3-em-1?).
– Pra não andar pelada: calça bermuda, 2 meias Lorpen, bota, papete, umas 3 camisetas, sunquíni, calcinhas, boné, bandana, óculos escuros, jaqueta corta vento. Se estiver frio, as segundas peles e o fleece.
Dúvidas:
– Levo ou não um segundo cartucho de gás?
– Levo ou não bastões de caminhada? (Não sou muito fã nesse tipo de terreno…)
Falta comprar:
– Selador de costura de barraca (dizem que lá os quatis são meio agressivos e às vezes rasgam as barracas em busca de comida)
– Mais pilhas AAA
– Mais pilhas AA
– Passagem Manhumirim-Alto Caparaó-Manhumirim (já era pra ter comprado, doida!)
– Esparadrapo de calcanhar
– As comidas que faltam
– Um porta-GPS ou algo do tipo (pra colocar na fita de peito da mochila)
Falta fazer:
– Marcar as coordenadas detalhadas no mapa
– Montar playlists bem legais (isso é o que leva mais tempo)
– Imprimir a reserva do PN
E aí, falta algo?
div-black

Written by Cissa

Fanatic alpinist, rock climber, and wannabe surfer. Sports and travel content writer and graphic designer in the meantime. Self sponsored, based out of a haul bag.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.